Domingo, 21 de julho de 2024

Domingo, 21 de julho de 2024

Vídeo de Marília Mendonça instantes antes de morrer vai parar em processo na Justiça

Um vídeo em que a cantora sertaneja Marília Mendonça postou antes de embarcar no avião que a matou está servindo como prova em um processo trabalhista. Um vídeo em que a cantora sertaneja Marília Mendonça postou antes de embarcar no avião que a matou está servindo como prova em um processo trabalhista.
Desde que morreu no dia 05 de novembro de 2021, o último vídeo postado por Marília Mendonça algumas horas antes do trágico acidente de avião que tirou a sua vida, vem circulando fortemente na internet. Nas filmagens, ela celebrava um fim de semana de shows em Minas Gerais, mas mal sabia que seria seu último registro nos feeds das redes sociais. Agora, tal vídeo está sendo utilizado em um processo trabalhista.

Embora o vídeo tenha sido publicado por Marília Mendonça, a cantora sertaneja não tem nada a ver com o processo em que foi usado como prova. Isso porque, segundo o portal Metrópoles, ele está sendo usado em um processo de um ex-funcionário da empresa PEC Táxi Aéreo, dona do avião que a cantora sertaneja estava quando morreu.
Cristiano Rodrigues entrou na Justiça contra a empresa após sofrer um acidente de trabalho ao manusear um aparelho na manobra de um avião sem o uso de equipamentos de proteção, segundo ele, por irregularidades da empresa que não os fornecia. Ele também reivindica os direitos trabalhistas que não haviam sido pagos com a demissão da empresa.

Segundo o rapaz, o acidente aconteceu em março de 2021 e deixou uma cicatriz permanente em sua testa. Embora não tenha sido um dos funcionários a aparecer no fundo do vídeo de Marília Mendonça, Cristiano usou a filmagem como prova de que os funcionários da empresa não usavam EPI’s, já que ambos apareciam sem os equipamentos no fundo do vídeo, e ele trabalhava na empresa na mesma época.

O processo corre na 15ª Vara do Trabalho de Goiânia e a PEC Táxi Aéreo se manifestou negando as irregularidades alegadas pelo ex-funcionário. Como prova, a empresa anexou notas fiscais de compras de equipamentos de proteção e fotografou um funcionário usando protetores auriculares.
“Chama atenção que o mesmo empregado que serviu de modelo para fazer a fotografia da utilização do EPI aparece no famoso vídeo da cantora Marília Mendonça, no embarque antes do acidente fatal, sem utilizar qualquer EPI”, disse o advogado Nivaldo Júnior na defesa de Cristiano.

Voltar

Compartilhe esta notícia:

3 meses do fim de Simone e Simaria: como as cantoras estão tocando a vida?
Show de Bruno e Marrone é adiado por falta de público
Deixe seu comentário

No Ar: Melhor da 104